I’ve been thinking a lot about this post. Sometimes words are absolutely necessary. Sometimes they’re not. Sometimes a picture says a thousand words.

Catedral Nuestra Señora del Rosario de Estelí

Standing in Front of Catedral Nuestra Señora del Rosario de Estelí

Audrey and I woke up bright and early and roamed around Estelí. This is the beautiful Catedral Nuestra Señora del Rosario de Estelí in the heart of the small city.

Tienda Americana Mana de Prosperidad

We continued meandering along and passed a second-hand store with clothing that mostly comes from the United States.

Making a Saddle

Handcrafted Saddles

This man let us come in and admire the saddles and other things in his tack store he made by hand.

Cowboy Boots

Sorting Beans

Bean sorting. :)

Beans

Market in Estelí

The tiny market in Estelí is worth checking out, if only to roam through for a short time.

Estelí

Downtown Estelí

Estelí Artwork

Estelí, like many other Latin American towns, is small but vibrant. A tiny market, street artwork and local stores with handcrafted items dot the tiny city. And the people are incredibly friendly, which makes visiting even more worthwhile!

After reading about Alberto the Hermit in the small town of Estelí, Nicaragua, Audrey and I decided we had to go. We had bought our tickets in El Tunco from San Salvador to Estelí for the ripe price of $45.00 (actually our tickets were to Managua, but you have to pay full price even if you get off early). After spending the night in San Salvador, we got up bright and early and boarded the Transporte del Sol bus for the eight hour ride to Estelí. We had paid extra to travel with the Transporte del Sol company rather than TicaBus, and we paid an even higher price by having to find different accomodations than we had planned (you can read about that here). We were promised wifi, movies, two meals and we were able to pick our own seats. We were ecstatic. However, we boarded the bus and, much to our dismay, discovered things were a bit different than we had been told.

The bus had no wifi. I know, I know, first world problems, but we were pretty perturbed that we had paid (quite a bit) extra to catch up with our families and on our blogs to discover there was no internet. The attendant informed us that only some buses had wifi. As far as relaxing movies? Movies played, but they were blaring and you couldn’t sleep, read, or think – it was ridiculous. The first movie was a French film with Spanish subtitles. Not helpful. At least the Hedman-Alas bus from Guatemala to Honduras allowed you to plug in your own headphones and adjust your own volume. A few minutes into our journey, the attendant walked down the aisle and gave us breakfast. The breakfast for our $45 journey consisted of a pack of twinkies and a juice box. Seriously?! Oh well, what can you do?

Breakfast

Thanks to Audrey for this picture, by the way.

Shortly after, we neared the border. The attendant walked down the aisle and collected passports and border crossing fees. We were crossing into Honduras and then into Nicaragua, so we were dealing with two border crossings. This was our third border crossing, but I was very hesitant to give over my passport. Every other time, we exited the bus and dealt with immigration on our own. Oh well, perhaps it would be nice to have someone else deal with immigration for us. The attendant then asked for $18. As I said earlier, this was not our first border crossing. We knew the fees were only $16. $3 to get into Honduras, free to leave (as long as you have your entrance paper), and $13 to enter Nicaragua. We asked the lady why there was an extra $2 charge. She didn’t explain, but only told us we needed to give her $18. It was only $2 more, but we were extremely annoyed. However, when someone in Central America has your passport and you’re crossing not one border, but two, you just hush and give them the money.

The bus pulled over just outside of the Honduran border crossing. We got off and walked across the border while Honduran military checked the bus to ensure there were no stowaways. After it was cleared, we were able to get back on the bus. The bus hadn’t left yet, and I had to pee. I decided to take advantage of being able to use the toilet without it bumping along the windy Honduran route known as the road to Nicaragua. Much to my dismay, the bus took off just as I shut the door to the toilet.

Now there is something you have keep in mind with bus toilets. Chicken buses do not have toilets at all, and even fancy bus toilets are not quite up to par with coaches back home. The bus we were on had a toilet in the back with a window to keep, well, fumes from stinking up the entire bus. This little window is just open – you can’t lift it, close it or move it – it’s just a hole in the side of the bus a little lower than eye level. In our bus, there was a little curtain to keep people on the outside from being able to peek in. Convenient, to say the least! Unfortunately, when the bus is in motion, the wind from the open window makes the curtain fly back so everyone can see everything. But when you’re on the road, that really isn’t a huge concern. I looked out the window and all I could see were trees, countryside and cows.

So I get down to business. The toilet wasn’t clean by any means, so squatting seemed to be the best way to get the job done. I grabbed on to the rail and held on for dear life as the bus flew down the windy, bumpy road and I started to pee. At that very moment, our bus driver decided it was an opportune time to pass a truck full of Honduran men piled in the back, who were of course looking my way. Greeeeat. Not going to lie, that was an interesting, albeit mortifying experience.

A few hours later, we got to the Nicaraguan border crossing. Again, we hopped off the bus and walked across the border. Once we crossed into Nicaragua, we went into the immigration building, where our luggage was piled outside the bus. We grabbed what belonged to us, lined it up and stood next to our bags. An immigration officer then went through each bag, asked a question or two, then nodded us through where we went back to the bus.

Bienvenidos Nicaragua

Thanks again to Audrey for this photo!

After a few more hours, obnoxiously loud movies, and crappy food, we pulled up to a gas station. The attendant then stood at the front of the bus and yelled something out. The problem was, the movies were so loud, no one could tell what she said. A few minutes later, she stormed down to our seats and barked Estelí!!! Audrey and I quizzically looked around and gathered our things. We knew that we would be stopping before everyone else; however, we had no clue it would be at some random gas station. Oh well, we grabbed our things, got off the bus and walked into the gas station. Neither of us recommend nor will ever be taking Transporte del Sol again!

The gas station seemed to be in the middle of nowhere. A few taxis were parked at the edge of the property. We walked over and asked different drivers if they knew where Sonati was. The first three had no idea. We started to get a bit nervous we were in the wrong place. However, the fourth taxi driver knew where Sonati was and we put our bags in the car and loaded up. On the way, the driver stopped and a young mother with her child piled in. This car was already on the fritz. With the driver, his friend in the passenger seat, Audrey, me, our luggage and these two new passengers, the car screeched and squealed and sounded like it was about to explode.

Taxi to Sonati

We were extremely relieved when it pulled up to the hostel and we got out. We had finally arrived at Sonati, a non-profit environmental hostel we had heard great things about. Audrey and I ultimately fell in love with Sonati as well as Estelí, and we ended up staying in the charming little town for five days.

Hostal Sonati

Sonati

Want to hear more adventures meeting the Stone Man, hitching a ride to a waterfall or cliff jumping in canyons? Check back soon. :)

Foi um fim de semana louco. Além de ser o feriado do Dia do Trabalhador, também foi meu aniversário e o fim de semana em que nos mudamos de Pittsburgh para Bloomsburg, Pennsylvania. Imagina se mudar de uma metrópole para uma pequena cidade universitária. Chatice más fazer o quê? De qualquer forma, estes últimos dias têm sido loucos, mas não tão loucos quanto Honduras, isso é certo! :)

Acordamos bem cedo para ir visitar as Copán Ruinas, e estávamos determinadas a não deixar escapar de novo. Passaportes na mão, Audrey, Trent, Evelyne e eu chegamos às ruínas logo após as 8:15. Ninguém estava lá. Nós esperamos [im]pacientemente pela chegada do rececionista e, às 8:30, ele checou os nossos passaportes e compramos nossos ingressos. Audrey e eu tinhamos dividido a compra de um cartão de desconto, Promo Dias, que nos dá certos descontos nos monumentos nacionais e nos bilhetes de ônibus entre outras coisas. Nós poupámos 25% do valor dos nossos bilhetes de onibus Hedman-Alas, e as instruções afirmavam claramente que o desconto seria elegível para duas pessoas. No entanto, quando chegamos, eles só deixaram Audrey usar o desconto (pois estava registrado em seu nome). Aparentemente, eles têm de apresentar o número do passaporte, o que obviamente é registrado apenas por uma pessoa. De qualquer forma, ela pagou o preço com desconto (291 lempiras ou 13,80 dólares), e eu paguei o preço total (315 lempiras ou US $ 15) e dividimos a diferença mais tarde no hotel.

Do lado de fora das ruínas, havia guias em todos os lugares perguntando se você queria uma visita guiada. Quanto mais as pessoas ficavam no seu grupo, o mais barato seria a visita guiada. Nós acabamos tendo um guia que nos iria acompanhar por um total de US $ 30 (abaixo dos US $ 60 que tinha pedido inicialmente), mas enquanto Evelyne e Audrey queriam um guia, Trent e eu preferimos explorar por nós mesmos. No final, todos nós exploramos as ruínas sem ajuda.

Copan Ruinas (1)

As ruínas maias de Copán parecem ser um pequeno santuário para as araras. Depois de comprar o seu bilhete, você desce um caminho até às ruínas. Parece ser entrada livre. Ninguém está lá para conferir o seu bilhete ou para se certificar de que você pagou. Então temos que percorrer o caminho e ver todas estas bonitas araras. Infelizmente, não tivemos sucesso na tentativa de interagir com nenhum dos pássaros.

Depois de andar um pouco, você chega a uma cerca enorme. Você vai para a entrada, e é aí que eles checam os bilhetes e deixam-no entrar na área de ruínas. Depois de passar por cima do muro, você caminha um pouco até encontrar as ruínas.

Copan Ruinas (2)

Estávamos todos em admiração quando chegamos às ruínas. Este é o primeiro que você vê, e ele realmente é incrível. Definitivamente não é algo que você vê todos os dias, e para os quatro de nós, era a nossa primeira ruína.

Copan Ruinas (3)

Audrey e eu corremos ansiosamente para o topo. Nos EUA ou Europa, estou bastante certa de que é ilegal correr, levantar, pular, cuspir, ou tocar um artefacto antigo. Não na América Central. Tiramos proveito disso e tiramos uma grande quantidade de fotos quando no topo das ruínas.

Copan Ruinas (4)

As ruínas estão constantemente sob vigilância e sendo cuidadas. Enquanto não estão reconstruídas, a manutenção é feita para que fiquem como estavam durante a sua antiga glória.

Copan Ruinas (5)

Uma área que estava sob “construção” era as escadas. As escadas estavam sob um enorme toldo, e esta era uma área que os turistas não eram autorizados a correr livremente.

Copan Ruinas (6)

Pouco depois de deixar as escadas, escalamos outra ruína e tiramos algumas fotos.

Copan Ruinas (7)

Eu realmente não tenho nem palavras para descrever o quão bonitas este monte de rochas antigas são. Enquanto as imagens nunca serão capazes de lhes fazer justiça, é de tirar o fôlego.

Copan Ruinas (8)

Copan Ruinas (9)

Estas foram tiradas em cima da outra ruína.

Copan Ruinas (10)

Copan Ruinas (11)

Os militares estão por toda a parte. Eles estão andando ao redor da cidade. Eles estão de guarda nas sombras quando você está comendo comida de rua à noite. Estão descontraindo com as suas armas quando você está passeando em redor das ruínas maias. Eles são altos e orgulhosos e estão por todo o lado, é aterrorizante. E Audrey e eu absolutamente não poderíamos sair sem tirar uma foto, não só deles, mas com eles. Em retrospetiva, isso foi, provavelmente, muito, muito estúpido.

Esses quatro caras na imagem anterior mantinham o patrulhamento ao redor. Eu casualmente tentei tirar fotos deles sem querer parecer muito óbvia, mas eu tenho certeza que eu falhei miseravelmente. No entanto, Trent, Evelyne, Audrey e eu estavamos imaginando por que diabos esses militares com fuzis AR-15 e Galil estavam circulando ao redor das ruínas maias.

Copan Ruinas (12)

Mais tarde soubemos os militares estavam ali simplesmente para proteger a cidade e as ruínas, mas mesmo assim, eles ainda eram extremamente intimidantes.

Ignore as armas, ignore as pessoas que estão atrás das armas, Audrey e eu concordamos que simplesmente que não podíamos ir embora sem tirar uma foto com aqueles homens, ou pelo menos tentar. Haviam quatro homens e estavam perto uns dos outros, e a Audrey perguntou casualmente se podíamos tirar uma foto com eles (em espanhol, é claro). Um deles foi realmente brusco e, enquanto não respondia, fez um sinal para o seguirmos e a outro soldado. Nenhuma de nós sabia para onde eles estavam a nos levar, mas a foto é a última coisa das que nos preocupava neste momento (você não tem noção do quanto eles eram assustadores)! Contornamos uma esquina e os dois jovens guardas começaram uma sessão de fotos. Tiraram duas fotos com cada uma. Audrey e os dois guardas, e depois eu e os dois guardas.

Audrey foi a primeira e ficou no meio dos guardas para dois sorrisos rápidos. Depois foi a minha vez. Ignorando completamente o fato de que estávamos perto de dois guardas das Honduras, sorrateiramente tiramos as fotos longe de seu superior. Eu coloquei os meus braços em volta de ambos e eles inclinaram-se para um grande, espécie de abraço, com um sorriso enorme. Eu realmente acho que eles não esperavam isso. Na segunda foto, eles também estavam a sorrir como eu. :) Confira a imagem; foi épico…

Depois da nossa rápida sessão de fotos, Audrey e eu agradecemos graciosamente mas eles ainda queriam tirar fotos connosco, então cada um de nós foi para a segunda rodada. Eu acho que eles já estavam confortáveis perto da gente neste ponto, parecia que estavam felizes e se divertindo quando começamos a tirar as fotos com os seus celulares. Para a ultima foto, o segundo guarda meteu-se no nosso meio, com Audrey à sua direita e eu à sua esquerda. Eu não tenho certeza se ele se mexeu antes do seu colega tirar a foto ou assim, mas sua Galil deslizou pela minha perna. Eu olhei para baixo e minha perna estava encostando neste rifle de alta potência nas mãos de este militante das Honduras. Isso definitivamente não é algo que pensa que te vai acontecer quando acordas de manhã!

Seu superior estava a aproximar-se da esquina onde tirávamos as fotos, e eles pareceram ficar um pouco nervosos. Nós definitivamente não queríamos causar nenhum problema, portanto, agradecemos novamente, de forma rápida, e lá fomos nós em nosso caminho, felizes.

Às 11:00 estava insuportavelmente quente e havia grupos de turistas chegando, por isso, decidimos voltar para o Via Via, o nosso hotel. Trent e Evelyn foram pegar o ônibus pouco depois do meio-dia, de modo que, infelizmente, nos despedimos. Isso é uma das melhores coisas da viagem: reunião de algumas pessoas maravilhosas; no entanto, quando nos despedimos e cada um segue o seu caminho, isso é realmente triste.

Assim sendo, Audrey e eu fomos para a estação de ônibus Hedman-Atlas para pegar o ônibus das 02:20 para voltar a Guatemala. Era domingo e, aparentemente, é um dia bastante popular para voltar a Guatemala. Logo descobrimos que a única opção era para pagar um bilhete de primeira classe, que custa cerca de 70 dólares. Umm.. Não. Então, Audrey e eu, agarradas em Honduras…

Interessado em ouvir sobre como Audrey e eu saímos de Honduras? Clique aqui para Vida em Copan Ruinas!

 

Please log in to vote

You need to log in to vote. If you already had an account, you may log in here

Alternatively, if you do not have an account yet you can create one here.